8 de agosto de 2017

VIDA SOCIAL X VIDA VIRTUAL.

foto de 2015, de um ensaio em que fui modelo para uma amiga. 

O papo agora é bem íntimo, é que esse tema já vem martelando na minha cabeça há dias, se não meses e eu preciso falar sobre. 

Eu sei que a tecnologia como um todo veio para facilitar a nossa vida de todas as formas: agora dá pra pagar conta através do internet banking; dá pra papear com amigos que estão a metros ou quilômetros de distância de você sem gastar fortunas de dinheiro; dá pra fazer pequenas manutenções do computador sem sair de casa; dá pra consumir cama-mesa-banho-roupas online, dá pra comprar até eletrodoméstico no e-commerce; dá pra aprender receitas de culinárias, receitas de sobrevivência e de quebra você ainda pega umas dicas de como se maquiar.

É tanta informação que o cérebro recebe que fica até difícil de conseguir armazenar isso tudo, no fim das contas a gente acaba apenas lembrando daquilo que de fato vai fazer e usar.

Mas o que anda me preocupando é a forma que estamos vivendo a vida online e como deixamos de viver a vida fora dela, das redes sociais.

Frequentemente pego transporte público e na maioria das vezes opto por ler *mesmo que seja um pdf* do que estar online nas mídias sociais, faço uma pequena contagem a minha volta e percebo que mais da metade das pessoas que me cercam estão conectadas e concentradas em seus smartphones, mas nem se quer viu quem sentou do seu lado.

É certeiro de que não conseguimos mais estar entre amigos sem nos conectar ao telefone, sem querer registrar o momento para postar em alguma das mídias ~ essa eu posso dizer por mim, mas tenho procurado minimizar ~, os encontros entre amigos não saem dos convites do facebook ou dos grupos do whatsapp, se alguém interrompe seu momento de conversar com o crush ou de ficar passando storie por storie você já fica irritado, se demoram pra responder a sua mensagem você já quer reclamar, depois que o tio google evoluiu todo mundo tem opinião pronta a respeito de qualquer coisa.  

Só sei que tenho saudades de sentar na calçada com os amigos até cair de sono e não aguentar mais conversar e contar sobre a semana e os planos pra vida; de poder telefonar pra dizer que sinto saudades; de olhar nos olhos e perceber o momento pelo o qual a pessoa está passando; de marcar um compromisso e comparecer; de olhar as pessoas olho no olho; de trocar bilhetes ou cartas; de fazer novas amizades nos transportes ou de jogar conversa fiada; de rir até a barriga doer.  E sinceramente, é com poucos amigos que ainda consigo fazer isso porque sem perceber nos tornamos prisioneiros da internet.

Ainda que a internet seja eficiente, unindo pessoas, juntando amigos, criando networking, ajudando na divulgação de trabalhos e na criação de novas áreas, a mesma também desfaz,  exacerbação de seguidores, a quantidade de amigos desconhecidos te dando like, os comentários com duplo sentido, são causas disso.

Dá pra contar nos dedos sim as pessoas que conseguem lidar com esse momento tecnológico que estamos vivendo e se não nos cuidarmos, podemos nos tornar seres ainda piores, já que a tendência é de a internet se tornar o maior meio de comunicação.

Estamos ausentes de amigos, não tratamos mais com o mesmo carinho e zelo de antes, deixamos de ser empáticos e principalmente simpáticos, paramos de perceber a aflição no olhar pra esperar uma publicação e ler nas entrelinhas o que aquela pessoa está passando. Nos tornamos doentes mentalmente por querer viver apenas atrás de uma tela que brilha e ainda faz mal aos olhos.

Então se ter uma vida mais real te interessa, viva mais a vida off, ela também é boa, tenho experimentado e vale a pena. Que você consiga sorrir e se preocupar mais com as pessoas que estão do seu lado e não com quem está no topo do seu messenger ou do whatsapp. Considere viver mais com aqueles que se achegam querendo estar perto de você.

E lembre-se não é deixar de desfrutar da praticidade que a internet trouxe, mas sim saber viver com equilíbrio.

Bjks. 

Um comentário:

  1. Equilíbrio é a palavras de ordem! A tendência da nossa cultura é fazer com que fiquemos nos extremos e por isso que as coisas não andam tão bem. Adoro seus textos.

    ResponderExcluir